Coisa de Pobre e os Neo-Sultões

Há quem diga que no humor vale tudo. Que piada “politicamente correta” não tem graça. Do “politicamente incorreto” dão um salto para o “preconceituoso” e, pronto, podem rir sem culpa. Eu nunca vi um pacifista ter ataque de riso ao ver fotos de Guantánamo. Piada preconceituosa: risada na certa ou seu dinheiro de volta. Mas … Continue lendo Coisa de Pobre e os Neo-Sultões

Sobre gatos e burocracia

Neste início de ano,  um brinde ao silêncio.  Mamãe resolveu presentear-me com bons e sagrados dias longe de casa. A esmola é muita e, minha missão, módica. Recebi uma singela lista de orientações, além do costumeiro “favor não destruir a casa”, mas nada que desprendesse especial atenção ou furtasse-me valioso tempo. Apenas uma regra devia … Continue lendo Sobre gatos e burocracia

Sacanagem Jurídica

Quando fui ao Fórum pela primeira vez recebei a seguinte instrução: Primeiro você tira o print, só se for necessário você sobe na vara. Moralista! Chegando ao Fórum, toda serelepe graças à minha nova atribuição - burro de carga - fui em direção ao balcão, impostei a voz me levando muito a sério e perguntei: … Continue lendo Sacanagem Jurídica

Eu sou o Pato Donald! Eu sou o Pato Donald!

Advogados não são criaturas notórias por possuírem um admirável senso de humor. Afinal, você já viu alguma cobra rindo? Por outro lado, estagiários de Direito são seres que normalmente se vestem bem, escrevem bem e se acham muito. Porém, a parte mais legal neles é a função bônus de bobo da corte. Meu último colega de profissão imitava perfeitamente o Jhonny Bravo, sabia … Continue lendo Eu sou o Pato Donald! Eu sou o Pato Donald!

Bingo!

Na maioria dos casos, o nome do bingo é composto pela palavra "bingo" seguida pelo nome da rua na qual ele foi construído.   Por exemplo, o bingo que fica na Rua Cruzeiro do Sul chama-se Bingo Cruzeiro do Sul. Já o bingo que fica na Rua São Jorge chama-se Bingo São Jorge, o bingo da Rua Marechal Deodoro chama-se Bingo Marechal...    Entretanto, o bingo … Continue lendo Bingo!

Língua: Um fenômeno mutável

A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer. [Graciliano Ramos] De segunda a sexta-feira faço parte do universo jurídico, do universo cujas normas ditam: em caso de dúvida entre duas palavras, escolha a mais difícil. Afinal, não é qualquer "pé de chinelo" que deve conseguir entender o … Continue lendo Língua: Um fenômeno mutável

Pensando com as cobras

Estive pensando. O que é muito bom, quiçá diriam que até existo. Se pensar é questionar, duvidar, formular seus própios juízos, aqueles que nunca duvidam, nunca discordam, nunca pensam. Mas pensando por eles, vejam comigo. Nós seres humanos não somos os animais mais fortes da natureza, tampouco os mais velozes. Não somos os maiores animais, nem os que escalam … Continue lendo Pensando com as cobras

Festa à fantasia

Máscaras belas, singelas. Diversidade de fantasias. Eis que surge a festa: realidade por analogia. Aquela, onde tudo parece alegria, é totalmente efêmera por maestria. Sorria! Ou não deveria? Afinal, a face se revelaria. Transparência nítida, eu diria, pois tal lógica eu já compreendia.Sem saída; há a inocência traída. O tempo se dissipa, a ilusão não … Continue lendo Festa à fantasia