Sobre gatos e burocracia

Neste início de ano,  um brinde ao silêncio.  Mamãe resolveu presentear-me com bons e sagrados dias longe de casa. A esmola é muita e, minha missão, módica. Recebi uma singela lista de orientações, além do costumeiro “favor não destruir a casa”, mas nada que desprendesse especial atenção ou furtasse-me valioso tempo.

Apenas uma regra devia ser cumprida religiosamente: a dos gatos. O que é um tremendo caralho quando são sete felpudos. Transcrevo:

“A Lua não pode entrar em casa à noite. A Mel não pode sair de casa à noite. A Jasmim deve ficar o tempo inteiro dentro de casa. A Brisa e a Sol podem ficar fora de casa à noite.  A Shiva não pode entrar no meu quarto. O gato cinza não pode entrar em casa.

Beijos,

Mamãe Saura.”

Mamãe deveria virar redatora daquelas revistinhas de lógica. Talvez fosse de bom tom apenas trocar o nome dos gatos por algo menos age of aquarius. Falando em nomes, fiquei ligeiramente tocada pelo fato do gato cinza não ter sido agraciado com um nome. Ou não.

Agora é pra valer. Mamãe bateu a porta, apertou os cintos e partiu. Tudo estará na mais perfeita tranqüilidade até o primeiro meow.

Antes de dar início à esbórnia, enxotei o gato cinza para fora de casa, tirei todos os gatos do quarto da minha mãe e tranquei a porta. A bem da verdade, apenas a Shiva não podia entrar naquele quarto, mas achei mais prático estender a proibição para todos. Four legs bad, two legs goood.

Estava na cozinha preparando a janta quando vejo uma pequena patrulha de felinos domésticos no intento de uma fuga noturna. Como eu não havia decorado todas as regras, sempre que aparecia um bigodudinho pleiteando alguma safadeza eu corria em direção à lista para conferir se aquele gato possuía autorização para fazê-lo.

Maravilha. Tornei-me uma espécie de segurança de casa noturna felina. Olha pro gato, checa na lista. Gato, lista. Gato, lista. Hummm. Pode passar. Você não! Você não, hein?! (Rshhhh / Pow! / Meowwww). Ei! Que gato é esse? (………) “Quem é você?!”

Às vezes parecia que havia mais gato do que nome na lista. Será que tem algum impostor comendo às minhas custas?! Animais e crianças tem uma cara muito parecida, podem me achar uma insensível.  Todavia, é ainda pior quando parece ter mais lista do que gato. Após duas semanas sozinha com sete gatos, parece-lhe óbvio que eles só podem estar se reunindo às escondidas para tramar um golpe de Estado contra você.

Por que raios toda essa burocracia? Explico: A razão de ser dessas regras está relacionada com a falta de destreza de alguns gatos e problemas urinários de outros. Alguns gatos não conseguem descer do telhado, então, a menos que eu queira acordar de madrugada para resgatar o safado do bicho – o que obviamente eu não iria fazer – é melhor seguir as regras. Além disso, alguns deles são adolescentes mijões que se enfezam diante da castração da sua liberdade noturna e, de birra, fazem xixi na sala.

Após alguns dias, no ápice do ócio, fui tentar brincar com a minha gata mais velha. A Jasmin. Comecei a engatinhar fazendo “meow, meow” o melhor que minha humanidade permitiu, tentando enganá-la.  Nunca alguém me olhou com tanto desprezo.

Senti vontade de dar um soco na minha gata. Pela audácia. Aquilo só podia ser uma cara de desprezo. É a segunda vez que eu tenho um surto violento imbecil em face de um oponente pouco favorecido. Contudo, dessa vez o hipossuficiente era um semovente, o que é um avanço considerável tendo em vista que na primeira vez o adversário era um processo de falência. Em ambos os casos, contive-me por rara manifestação de juízo.

Dizem que os animais se parecem com os donos. Talvez haja certa ironia no fato de ter uma gata mau humorada. Se você reparar, dos sete gatos que moram comigo, seis são fêmeas. E, vejam só, justamente o único gato que não tem permissão para permanecer dentro de casa, sob hipótese alguma, é o representante do sexo masculino. A propósito, ele sequer tem nome. Sinto-me verdadeiramente tocada agora. Ou não.

Anúncios

Um comentário sobre “Sobre gatos e burocracia

  1. Graças a Deus moro em apartamento…aqui ninguém entra, ninguém sai! rs
    Apesar de ter uma gatinha deficiente que tbm nos faz ter regras como “Não pode entrar no quarto, não pode subir na cama…” gatos são maravilhosos…experimenta fazer carinho no pescoço deles pra ver se eles não gamam por vc?! rs

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s